Power Plate

Quando acordo ,completamente sem forças ,nem de conseguir alcançar o controle remoto que está sempre embaixo do meu marido e dá um trabalho monstro acha-lo ,a TV  sempre está naqueles canais que vendem tudo,e vi um aparelho fantástico chamado Plataforma Vibratória e claro, quando despertei (2h depois) tomei meu clássico cafezinho em frente ao monitor procurando aquela engenhoca que poderia ser mais uma coisinha para o meu "museu de grandes novidades"  .
Li e gostei de todas as espeficificações técnicas ,mas a melhor  explicação que encontrei sobre a tal engenhoca foi escrita por uma mulher (é óbvio)chamada Márcia Bittencourt que descreve sua experiência como estivesse na minha varanda comigo e minhas amigas de tão descontaída é sua leitura.
Vale a pena dar uma olhadilha: 

terça-feira, 30 de junho de 2009


EXPERIÊNCIA DA SEMANA: PLATAFORMA VIBRATÓRIA


Já falei aqui que sou adepta – fervorosa – do Pilates. Às vezes, quando o trabalho está mais intenso, não vou tanto quanto gostaria, mas é ele o responsável pelas minhas formas (qualquer que sejam elas).


Pois bem. Certa manhã, toda dura tentando alcançar a ponta dos pés num alongamento dificultado por uma semana pesada no batente, minha professora oferece uma provinha de dez minutos da “novidade” recém chegada ao estúdio: a plataforma vibratória.


Com anos de experiência como produtora de programa de beleza, mulher e virginiana, confesso os dois pés atrás. Ficar mais magra, durinha, reduzir medidas, drenar toxinas e ainda relaxar sobre um “chão em terremoto” não é fácil de comprar. “Mas é desenvolvida pela NASA”, argumentou. Aaaaaaaaah, essa NASA. Investiria esta empresa de “modesto porte” num produto-roubada-mundial? Pela lógica, achei que não e dei o braço (e o corpo todo) a tremer.


Subi na base, agarrei firme e ... Menina, quase fui buscar as bochechas dentro das calças. E enquanto eu tentava fazer alguma expressão facial que segurasse eficazmente a pele sobre os ossos, a fisioterapeuta encarregada me explicava T-O-D-O-S os benefícios de 30 minutos dentro de uma coqueteleira.


Segundo ela, você até poderia fazer todos os dias, mas não há necessidade (nem bolso, pensei com meus botões – que também já tinham descolado a esta altura). De duas a três vezes por semana, completando ou não sua rotina de exercícios, é possível sentir em pouco tempo a diminuição de centímetros nos pontos trabalhados, enrijecimento dos músculos e melhora na circulação (das pernas em especial).


E foi aí, aos quatro minutos de trepidação e explicações que eu lembrei de uma grande amiga: a labirintite. Quando ela mencionou CIRCULAÇÃO, me dei conta que não só o sangue já devia estar chacoalhando o suficiente, como também todo o resto da sala. Se na metade do test-drive, eu já estava com medo de não conseguir fazer uma linha reta ao sair da plataforma, imagina 30 minutos diários. Seria melhor abandonar o jornalismo e ir trabalhar em navio.


Na minha cabeça de “edição-não-linear”, já me veio outra experiência. A descoberta da “amiga”, aos 14 anos, feliz da vida, num navio rumo as Bahamas. Parece que estou tirando onda, mas não. Estava incluso no pacote de Disney, tá?


Resumo: tempo ruim, cinco horas pra ir e mais outras cinco pra voltar, 35 minutos em terra firme (que eu juro nem lembrar que era firme, menos ainda se era terra e nas Bahamas). E o resultado? Um enjôo dos infernos e uma semana andando em diagonal agarrada na cartela do Dramin. Nunca-mais-nesta-vida!!!


Fechando o parêntese...
Depois de experimentar 563 posições trepidantes com ações e objetivos diferentes, deitei num colchonete com as pernas em cima da base para o “modo-relaxamento”. Tipo quando a professora de educação física do colégio pega os pés da gente e balança rapidinho soltando a musculatura até a cintura, sabe? (Ô, imagem resgatada das profundezas.) Beeeeeeeeem, bom. E ao me sacudir numa freqüência menos “Mar em Fúria”, pensei que para as pessoas normais, é capaz dessa plataforma funcionar bastante. Porque tra-ba-lha. De verdade. A gente sente a vibração mexendo em tudo e nossa “força” para ficar estável completa a engenharia dos exercícios propostos.


Não é nenhuma dificuldade ficar de pé, para quem nunca viu ou testou. Existem freqüências e posturas adaptadas para cada objetivo da meia hora de treino e você não vai pular no aparelho e ser catapultada para o outro lado na sala.


Fica a dica e uma confissão: não tivesse eu este “pequeno” problema de estabilização no meu “equipamento”, tinha saído de lá inscrita no pacote.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Telefones do Dr. Eurípedes

Chá Plan 30 dias.

FARM,CANTÃO,ESPAÇO FASHION,ENJOY ____ DESCUBRA ONDE ENCONTRAR ESSAS MARCAS COM BOM PREÇO!!!!